expoart
colunistas >> 
Literatura & Cinema >> 
  Henrique Wagner
Teatro baiano >> 
  Henrique Wagner
Artes Plásticas >> 
Obs: A Expoart apenas publica artigos enviados por seus usuários e colunistas.
O conteúdo dos artigos e as opiniões emitidas pelos seus autores são de sua exclusiva responsabilidade.
Coluna >> 
 

Quarto Camarim

Depois do mais recente acordo ortográfico da língua portuguesa, tornado obrigatório em 2013, o hífen passou a infernizar ou, no mínimo, despertar-se diante dos falantes do idioma de Camões e Tiririca. Quando li o nome do filme dos realizadores baianos Camele Queiroz e Fabrício Ramos, senti falta do causídico tracinho, já que não via a justaposição das duas palavras que me pareceram íntimas na ocasião. Assistindo ao primeiro longa da dupla, que tem no currículo uma série de curtas e um média muito bem sucedido chamado Muros, entendi a escolha ortográfica.

Luma Kalil nasceu Roniel em Feira de Santana, segunda maior cidade do Estado da Bahia. Envolveu-se em contendas familiares - principalmente com um dos irmãos, pai da diretora -, no mais das vezes por conta de sua condição de homossexual. Sufocada pelos arcaicos, provincianos valores de uma cidade pequena do nordeste brasileiro, decidiu engrossar a estatística dos nordestinos que tentam a vida em São Paulo, cidade grande, cosmopolita e aparentemente moderna. Roniel abriu um salão de beleza e se apresentou (ainda se apresenta) na noite de São José dos Campos, onde mora até hoje com André, dublando nomes como os de Mariah Carey, Whitney Houston e Rosanah Fienngo, dentre outros. Há algum tempo não mais Roniel, mas Luma, mulher com prótese capilar loira, cintura fina e ancas largas, bunda bem calibrada e uma vaidade que não cabe em necessaire alguma do planeta. Assim como as vicissitudes de toda travesti não cabem em um livro, menos ainda em um filme.

A sorte é que Quarto Camarim não pretende contar isso ou aquilo, não dispõe de uma história linear e com recurso contístico da "unidade de efeito": o que vemos é uma espécie de work in progress em que tudo o que passa na frente da câmera pode ser aproveitado, inclusive o público, que, de forma indireta, pede à protagonista narradora que não deixe Luma encenar demais em seu documentário, encenar a si mesma, poetizando o poema.

Camele Queiroz e Fabrício Ramos receberam incentivo financeiro do projeto Rumos Itaú. A verba tinha o tamanho de um curta-metragem. Que não filmaram. E Queiroz lembrou de um tio seu, o qual não via há cerca de trinta anos. Decidiu fazer um filme sobre o tio "desaparecido". E mais: decidiu que filmaria todo o processo de filmagem, da ligação telefônica convidando a agora Luma Kalil, tia, a ser personagem de um filme, até o plot em si, que, a rigor, deliberadamente, não existe. A sensação que tem o público é de que Quarto Camarim mimetiza, ao mostrar os bastidores, a vida "dupla" de Luma, todo o processo de transformação (de gênero, de cidade, de profissão, a maquiagem para entrar em cena e subir ao palco) por que passa Roniel.

O problema é que a dupla de diretores não consegue evitar o enfado dos vinte primeiros minutos e de alguns planos desnecessariamente longos. Um dos motivos desse problema reside no desejo dos realizadores de "fazer cinema" em vez de aproveitar em toda sua grandeza um personagem riquíssimo. Os primeiros minutos do filme são árduos, lentos e sem qualquer cena relevante – aproveito, aliás, para pedir, a quem lê este texto, que insista no filme, porque vale a pena, atravessado o Rubicão. E ao longo do filme, aqui e ali, o público testemunha discretas tentativas da dupla de representar, de criar símbolos, de produzir metáforas por meio de uma encenação estrutural – resulta contraditório, portanto, o pedido de Queiroz para que sua tia não encene, não lembre que há uma câmera filmando (quase) tudo –, de fazer uma espécie de cinema de autor, ainda. Pesa numa das cenas o concerto mais famoso do compositor russo Rachmaninov, o número 2 para piano: mais uma consequência do desejo de "fazer cinema". O concerto escolhido é excessivamente dramático e conhecido demais, carrega em si milhões de outras cenas, filmadas ou não.

Se o filme começa, de fato, com a seguinte afirmação de uma outrora relutante Luma Kalil: "eu vou fazer o filme com você" (o carro da produção entra, imediatamente, num túnel, em que os carros precisam iluminar a escuridão), termina como todo espectador imaginava – só que não, diria o adolescente de Facebook. Que grande ideia a dos realizadores de pedir a Luma para fazer seu tão esperado número musical em sua própria casa, em seu próprio quarto, embaralhando de vez as cartas, sem repeti-las, levando-nos ao começo do filme, mais exatamente ao título.

Quarto Camarim é a união de dois substantivos, substantivo composto em que não há adjetivo determinando o número, tampouco alguma regra exigindo o hífen que une e separa ao mesmo tempo. O filme assinado por duas pessoas é híbrido e irregular como a vida.

Sobretudo a vida de uma travesti.

Para comentar, você deve utilizar sua conta do Facebook, Hotmail, Yahoo ou AOL.

©2001 Expoart Serviços Ltda. Todos os direitos reservados.